Compartilhe: linkedin facebook

O que é capital de giro: entenda e saiba como melhorá-lo

Economia e Finanças

Se compararmos a gestão de uma empresa com a construção de uma casa, podemos compreender que o capital de giro faz parte da estrutura que a mantém de pé. Isso acontece pois, em ambas situações, sem um alicerce, não há sustentação.

Apesar de ser um conceito conhecido, muitas empresas ainda enfrentam dificuldades com eles - especialmente as de menor porte. Nelas, os processos de estruturação e consolidação normalmente não são tão bem definidos ainda. 

No entanto, vale destacar que o assunto é relevante, e não apenas para empresas brasileiras, mas a nível global. A PwC, uma das Big Four de auditoria e consultoria, desenvolve estudos específicos sobre capital de giro. 

Inclusive, na 2019/20, uma pesquisa revelou que houve melhora no capital de giro em 8 dos 18 setores. Isso demonstra uma melhoria em 44,4% das indústrias avaliadas no estudo.


Mas, afinal, o que é capital de giro?

De maneira simples, podemos compreender o capital de giro como o dinheiro necessário para manter o empreendimento e ainda garantir a continuidade da empresa. 

O capital de giro engloba todos os valores em caixa, que foram depositados em contas bancárias e contas a receber. Ele inclui também outras obrigações pendentes,  que podem ser convertidas em dinheiro.

Portanto, ele determina quais são os valores disponíveis para que o empreendimento consiga cumprir com seus deveres e ainda faça novos investimentos. Ou seja, o capital de giro garante a saúde financeira e facilita a gestão, pois, por meio dele, será possível adquirir equipamentos, manter os estoques e trabalhar com pagamentos a prazo com os clientes.


Por que é importante calcular?

O capital de giro demonstra uma estimativa da saúde financeira das empresas. Com isso, ele responde à pergunta: “é possível ou não pagar as dívidas e faturas de curto prazo?”. O objetivo do capital de giro é avaliar os recursos que estão disponíveis para que a empresa consiga financiar suas atividades.

Entretanto, é importante destacar que, apesar do capital de giro ser importante, ele por si só não é um indicador suficiente para mensurar a gestão financeira. Portanto, é necessário mensurar com outros KPIs, como valor em caixa, dívidas e investimentos.


Como calcular o capital de giro?

Não há uma regra específica sobre o montante do capital de giro necessário para a empresa, pois há muitas variantes que influenciam. No entanto, é importante que a companhia faça um bom planejamento para determinar seu valor. 

Para calcular o capital de giro, o primeiro passo é avaliar quanto é preciso para pagar todas as despesas mensais da empresa. Para isso, some todas as contas a receber e o valor disponível em estoque. Em seguida, subtraia do resultado, as contas a pagar e o valor de impostos e despesas. Esse é o valor mínimo necessário.  

Entretanto, para ter um número ideal, é preciso multiplicar o valor do resultado por 6. Isso garante ao menos um semestre de segurança financeira para a empresa, evitando problemas no orçamento. 


Como fazer a Gestão do Capital de Giro?

Para fazer um bom gerenciamento de Capital de Giro, separamos algumas dicas:

  • Faça um planejamento estratégico

Com o planejamento estratégico, a empresa consegue ter um fluxo de caixa equilibrado e com menos imprevistos. Isso permite que ela consiga pagar as contas em dia, compreenda melhor a demanda dos clientes, e até mesmo realize investimentos em outras áreas.

No entanto, para garantir um bom planejamento do capital de giro, é importante prever os gastos futuros, além de registrar todas as entradas e saídas e otimizar e reduzir custos. Para isso, é necessário especificar os objetivos em longo, médio e curto prazo, pois, assim, é possível ter uma ideia de como manter o capital de giro.

  • Negocie com os fornecedores

A negociação por melhores prazos com os fornecedores é importante. Se a empresa demorar um certo tempo para conseguir produzir, vender e receber seus produtos, e tiver um prazo curto para o pagamento, pode acontecer de o empresário ficar sem recursos de curto prazo.

Portanto, quanto maior o prazo para efetuar o pagamento aos fornecedores, mais tempo há para organizar o caixa. Aliás, muitos fornecedores são flexíveis e aceitam prazos estendidos de 45 ou até 60 dias. No entanto, vale destacar: nunca atrase o pagamento desses fornecedores, em vez disso, negocie o valor.

  • Controle o seu estoque

Para o cálculo do capital de giro, o controle do estoque é muito importante. É preciso entender como funcionam as vendas e os períodos de sazonalidade, para a definição das quantidades que devem ser compradas. Além disso, é preciso avaliar estratégias de promoções e até mesmo redução de preços, para não ficar com estoque parado e sem capital de giro. 

Caso todas as obrigações forem cumpridas e ainda sobrar uma pequena liquidez, porém com o estoque baixo e não controlado, o planejamento está errado. O resultado disso pode ser capital insuficiente, caso surja um pedido ao fornecedor que exija um gasto acima das disponibilidades.

  • Mantenha um bom fluxo de caixa

O fluxo de caixa está diretamente ligado à sustentabilidade financeira da empresa, pois ele inclui os recebimentos e as obrigações. Ele controla os números em movimento e projeta as contas a pagar, receber e saldos disponíveis em curto e longo prazos.

Ou seja, por meio dele, é possível saber os valores que influenciarão no capital de giro, avaliando se é preciso tomar alguma decisão para manter as finanças saudáveis.

  • Tenha um sistema de cobrança eficiente

Por fim, é preciso considerar que podem surgir clientes inadimplentes e, quanto mais devedores uma empresa tem, mais capital de giro é preciso. Para evitar esse tipo de situação, é importante ter um setor voltado às cobranças e um instrumento de automatização, que busca melhorar os pagamentos dos clientes devedores.


Depois de entender o que é capital de giro, para ter uma visão mais ampla e aprender outros conceitos importantes, CLIQUE AQUI para conhecer o MBA em Gestão Financeira: Controladoria, Auditoria e Compliance.

O curso foi desenvolvido pela FGV por meio da combinação de conceitos e práticas que desenvolvem no profissional uma visão estratégica no processo decisório. 

Os temas abordados têm como focos as metodologias de gestão, mas com ênfase na área financeira. Eles ainda são complementados por instrumentos de controle e auditoria necessários à constante avaliação do processo decisório dos executivos de finanças.


Contato

Porto Alegre


  • Av. Praia de Belas, nº 1212, Torre Norte, 7º andar, sala 704
  • (51) 3230-4400
  • (51) 99110-6820
  • Segunda a Sexta, das 8h30 às 18h

Novo Hamburgo


  • Rua Araxá, 750 - Bairro Ideal
  • (51) 3230-4400
  • (51) 99110-6820
  • Segunda a sexta, das 8h30 às 18h

Florianópolis


  • Rodovia SC 401, 4100 - Km4
  • (51) 3230-4400
  • (48) 98870-3902
  • Segunda a sexta, das 9h às 18h

Tour Virtual - Unidade Porto Alegre

Clique para Ligar
Fale por WhatsApp

Nosso website coleta informações do seu dispositivo e da sua navegação por meio de cookies para permitir funcionalidades como: melhorar o funcionamento técnico das páginas, mensurar a audiência do website e oferecer produtos e serviços relevantes por meio de anúncios personalizados. Para saber mais sobre as informações e cookies que coletamos, acesse a nossa Política de Cookies. e a nossa Política de Privacidade.